O ócio criativo

O ÓCIO CRIATIVO, de Domenico di Masi, Ed. Sextante.

Resumo: Domenico De Masi expôs suas idéias sobre a sociedade e o trabalho em diversos livros destinados aos amantes da Sociologia, como A Emoção e a Regra e O Futuro do Trabalho. Atento ao crescente interesse de um público mais amplo em seus conceitos e sua visão do futuro, De Masi elabora de forma acessível neste livro os temas da sociedade pós-industrial, do desenvolvimento sem emprego, da globalização, da criatividade e do tempo livre.

Aprendi muito, no sentido de uma maior criticização não somente ao mundo do trabalho, mas, especialmente, às questões ideológicas que se pretendem naturais mas que são falaciosas ou escondem propositadamente determinadas intenções quando se fala em tempo livre, nas rotinas do dia-a-dia e no senso comum. As tecnologias atuais já poderiam fazer com que mais pessoas tivessem melhor qualidade de vida e trabalhassem menos, sem nenhuma perda real. No entanto, ainda o pensamento dominante nas organizações remete aos parametros da era industrial. Todos pagamos a conta, normalmente salgada pois implica em sobrecarga de trabalho, de tensão e de abandono às famílias. Isso quando se consegue um “emprego fixo, com carteira assinada”, etc.

Ensina ainda Masi a importância que une criatividade e ócio. No mundo operativo atual a sensação que temos é de que tudo já foi inventado e, se não o foi, será nos meses seguintes. Os melhores nichos de mercado ficam reservados àqueles que utilizam de modo mais efetivo o trabalho em equipe e participam ativamente e de modo produtivo de um mundo simbólico, ou seja, àqueles que detém o conhecimento. Novo link com o poder da escola e da formação e que a primeira muitas vezes desconhece ou finge desconhecer. Um mundo flexível requer instituições sociais flexíveis, que se possam adaptar com razoável sucesso a tais mudanças.

Para quem quer ter uma visão diferenciada do comum, um prato cheíssimo de talento, de informações e, especialmente, de reflexões sobre nós mesmos. Afinal, naturalizar o que assim não é, de um modo ou outro, sempre termina por criar vazamentos, rachaduras. Domenico Di Masi nos convida a apreciar tais demolições que, embora não sejam muito perceptíveis, são constantes. Os efeitos, nós todos sentimos, mais cedo ou mais tarde. HILTON BESNOS

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s