O analfabeto político

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.”  Bertold Brecht 

Brecht, em seu poema-denúncia, Analfabeto Politico, nos diz como a ignorância política é a matriz de vários males sociais, desde a prostituição até o preço das coisas mais comezinhas e que a omissão deve ser combatida.Mais: que se não nos empenharmos, seremos tão responsáveis por um estado de permanente injustiça quanto os que as legitimam através do mau discurso e da práxis política degenerada.

Mas por que trazer aqui essa manifestação? Porque a ignorância política é uma endemia, é uma tristeza da cidadania, é uma incivilidade sem par.

No sábado sofremos um acidente com um ônibus da CARRIS. Conversando com a vice-diretora da escola em que meu filho estuda contei-lhe o fato, mais para justificar o pequeno atraso na entrada de hoje pela manhã do que por qualquer outro motivo. Foi então que uma senhora, a qual não conheço, começou um discurso dizendo: “… é da CARRIS, né? É tudo culpa do governo. Aliás, não sei nem em quem votar, porque é um bando de vagabundos. Esses políticos são todos iguais!” Até agora estou procurando algum nexo entre o sinistro e a época eleitoral em que estamos vivendo. Não consegui atinar com nenhum até agora. Menos ainda com o alegado fato de que os políticos “são vagabundos”. Sempre os reducionismos perdem em sentido na mesma medida em que ganham em estupidez.

Meses atrás fui a uma agência dos Correios. Uma senhora reclamava  que não havia recebido uma encomenda. A moça dos correios vasculhava suas anotações e mostrava para a mesma que nada havia sido recebido pela agência. O discurso: “Esse país não vale nada, nada funciona, tudo culpa do Lula. Bem faz o meu filho que foi morar nos Estados Unidos, e não nesse inferno de lugar”.

Ora, não é a primeira nem será a última vez que vou ouvir tais sandices. O problema é que as mesmas são ditas por senhoras classe média, o que realmente me deixa apreensivo. Se essas pessoas, que detém possibilidade de informação, e que tiveram uma educação no mínimo mediana se portam dessa maneira e dizem tais bobagens, o que será da maioria que não tem acesso muitas vezes ao mínimo do mínimo?

Outro diz que as eleições são benditas, porque, como ele é funcionário público, vai  trabalhar como mesário só pra tirar dois dias por turno de trabalho nas eleições. Viva, esse é o único motivo pelo qual as eleições são bem-vindas, o resto que se exploda!

Agora, por exemplo, que estamos em campanha eleitoral para a prefeitura, o efeito burrice simplificatória tem realmente sido muito incrementado. Bobagens a todo instante mostram que não adianta simplesmente ter, é necessário mais. Sugere-se pensar. Brecht avisou, mas não adianta,  a ignorância insiste: por vezes de modo sutil, por vezes de modo tonitroante. Mas que insiste, ah, sem dúvida…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s